Não, não é solidão

Nos últimos dias eu tenho sido questionada sobre os motivos de estar solteira. Tudo começou porque um colega de trabalho trocou de namorada rapidamente e eu continuo vivendo “sozinha”. O que as pessoas não entendem, embora eu já tenha tentado explicar algumas vezes, é que estar solteira não é sinônimo de solidão, de coração partido e sofrimento diário. Estar solteira não quer dizer que eu chore todas as noites, abraçada a um urso de pelúcia ridículo, enquanto como uma panela de brigadeiro.

“Saudade é o amor que fica”

Esses dias li um texto escrito por um oncologista (aliás, que texto!), sobre o significado da morte para uma criança com câncer terminal. Acho que não preciso entrar em detalhes, exceto ao destacar uma das frases que fez meus olhos marejarem (o que é difícil de acontecer, mas ultimamente tem acontecido): “Saudade é o amor que fica”. Não me lembro de ter lido ou ouvido algo parecido, ainda mais vindo de uma criança de 11 anos, mas foi a melhor definição que já encontrei! Não sei se o texto é real, mas é de uma sensibilidade, sinceridade, pureza… que faz bem! E me fez querer compartilhar algo sobre amor e saudade.

Vida amorosa em 7 parágrafos

Você claramente percebe que não é boa com relacionamentos amorosos quando tenta, por cinco dias consecutivos, escrever sobre isso e não consegue terminar um parágrafo. O fato de não ser boa com relacionamentos é muito relativo, se eu for considerar o fato de que nunca estive em um de verdade, ou nem de mentira, dependendo do ponto de vista. Então resolvi contar meu histórico afetivo, que não é o mais interessante do mundo, mas se você quiser ler por curiosidade… Ta aí!

#dramasmexicanos

Esta semana uma amiga me contou uma história que, se eu não confiasse tanto nela, acharia que estaria inventando, por que é praticamente um texto de novela das 21h. Foi aí que pensei em criarmos uma tag sobre o assunto, sobre sentimentos e relacionamentos: #dramasmexicanos. A partir de hoje, toda quarta-feira teremos um desabafo diferente sobre relacionamentos, baseados em nossas histórias, de amigas e familiares. Ah, e claro, se quiser contar pra gente seu drama, fique a vontade.