Quando a gente explode

Ser forte o tempo não é uma tarefa fácil. Chega uma hora que sufoca. A gente desaba por qualquer mal encarada na rua ou dentro do ônibus. E aí o coração aperta e as lágrimas parecem não ter fim. A gente sente uma dor forte, a alma parece doer, e se trancar no quarto parece a única solução cabível para aquele momento. Não tem motivo principal. As situações do dia a dia viraram uma bola de neve, que agora passa por cima de nós, arrancando tudo que vê pela frente.

Idas e vindas

Hoje ouvi de uma amiga que a pior coisa é quando a gente gosta de alguém e o alguém não tem certeza se quer ficar com a gente. Comecei parabenizando mentalmente o alguém pela sua sinceridade em expor seus sentimentos, ou a falta de sentimentos, ou a confusão de sentimentos. Disse (sem pensar 1 segundo) que quando a gente gosta de verdade, por mais conturbado que seja o contexto da história, não há dúvida. Se uma das partes tem dúvida, não é pra ser. Pelo menos naquele momento da vida não é pra ser.

Somos todos culpados

Estava conversando com alguns amigos sobre a última chuva que atingiu os municípios e, consequentemente, os alagamentos. A maioria estava crucificando o prefeito da minha cidade, como se o governo municipal tivesse obrigação exclusiva de cuidar do lixo que é produzido por nós. Fiquei com cara de paisagem, pensando com que lógica aquelas pessoas chegaram a essa conclusão; de que só o prefeito tem que separar os recicláveis, recolher o lixo e destiná-lo corretamente. NÃO, não é só obrigação das prefeituras. SIM, somos todos responsáveis pelas inundações que estão destruindo famílias por esse país afora. Forte isso? Não. Se fosse, a gente já teria colocado a mão na consciência e parado de lotar as ruas com nossos lixos.

#Ficaadica para uma infância feliz

Cole chiclete mascado na unha, pra fingir que é unha postiça;
Coloque a pulseirinha transparente de borracha na boca, pra fingir que é aparelho móvel;
Cate uma calculadora pequena pra fazer de celular;
Tenha uma vassoura como namorado e desfile pelo quintal da sua avó com ele;
Encha o tanque para ser e a piscina da Barbie;
Arranque grama, folhas e flores do quintal para brincar de comidinha;
Cante no Karaokê como se a nota no final fosse mudar sua vida;
Pinte uma mecha de cabelo com papel crepom (ou o cabelo todo);